Natalidade em Barrelas: Incentivo mas pouco

por Paulo Marques | 2019.10.21 - 10:16

Os incentivos à natalidade, mais do que algo importante, são algo decisivo para o futuro do País e, ainda mais, da nossa Região, dos nossos concelhos desertificados, pomposamente chamados de territórios de baixa densidade.

Têm-se multiplicado, nos últimos anos, os apoios das Instituições, acima de tudo dando dinheiro pelos nascimentos. É o caso do meu concelho, Vila Nova de Paiva que o faz há alguns anos.

Contudo, incentivar a natalidade não é só dar dinheiro, é dar condições aos casais para criarem as suas famílias no seu dia a dia.

Nesse sentido, estas Eleições Legislativas foram férteis em propostas sendo que uma delas será, se tudo correr bem, implementada: Creches de acesso gratuito para todos.

Uma óptima medida que ajuda efetivamente os pais, ao mesmo tempo que alivia as suas finanças.

Dito isto, não é fácil olhar para Barrelas e ver pais que não têm onde deixar os seus bébés, porque a creche não vagas para o berçário, onde há lista de espera e, em alguns casos, apenas asseguram vaga para Abril.

Poder-se-ia pensar que seria sinal de ter havido muitos nascimentos e a Creche estar a “rebentar pelas costuras”… mas não é o caso.

Do que se sabe, a Instituição que possui a Creche, e pela qual recebe milhares de Euros por mês em comparticipações da Segurança Social, não terá disponibilidade para contratar mais pessoal, nomeadamente Educadoras.

No entanto, e podendo haver razões legítimas da Instituição para não aumentar as vagas, não será dever do Município zelar pelos seus habitantes? Não será dever do Município encetar negociações no sentido de resolver a situação e permitir que todas as crianças possam usufruir de Creche, ao invés de irem para os Concelhos vizinhos deixar os seus filhos (e o dinheiro que o Município lhes dá)?

Não pode haver um alheamento da realidade, dos problemas, tem de se agir. E havendo, como há, alguns acordos entre o Município e a Instituição em causa, não será altura de fazer mais um?

É por situações como estas que existe um Poder Político. Para tomar decisões, para negociar, para se preocupar.

Verdadeiramente apoiar a natalidade é ter uma política que se preocupe com os cidadãos que têm filhos.

Do que estão à espera? Que as árvores caiam ou que as crianças vão para o Sátão?

Paulo Marques