“Mas para que é que te maquilhas? Gosto muito mais de te ver sem maquilhagem.. ao natural!”

por Joana Gomes | 2018.08.23 - 12:40

 

… Eis a frase que deve ter nascido no paleolítico e tem atravessado a história, séculos após séculos, e é metida à pressão na cabeça de qualquer jovem rapaz como sinónimo de “o importante é o interior” e dá-me náuseas, mas senhoras náuseas, de cada vez que a ouço.

Rapazes, acreditem, é um comentário altamente dispensável.

Raparigas, vamos combinar o seguinte: se gostam de se maquilhar, maquilhem-se; se não gostam, não se maquilhem. Seriously, é tão simples quanto isto!

Enquanto pensam nisso, passo a fazer uma breve análise à dita frase.

Se começam por nos fazer uma pergunta, deixem-nos responder. É que, à vezes, quando não estamos com TPM, até nos apetece responder a umas coisas – quando estamos com TPM deixamo-vos a adivinhar, logo evitem falar antes de pensar. Mas, por norma, a acompanhar esta pergunta vem logo a frase seguinte, sem nos dar tempo para respirar sequer, que é “apenas e somente a vossa opinião”. E eu não vou entrar em muitos detalhes sobre o peso que tem a opinião de outrém nas nossas vidas. Principalmente, quando não é pedida. E olhem que não deve haver muitas raparigas a perguntar-vos se gostam da maquilhagem que trazem. Ora pensem…Não, pois não? Certo…

Já só me falta analisar a última parte: ao natural. “Ao natural“, por vezes, é ter bigode. Pensem nisso!

Mas eu não quero que esta crónica seja sobre dar na cabeça aos rapazes (too late, Joana) que têm esta frase como “olha para mim, tão profundo, gosto de cenas ao natural“. Até porque isso não é, propriamente, o mesmo que arrancar um dente sem anestesia. Não vos torna os nossos heróis.

Quero que esta crónica seja um hino a todas as raparigas que actualmente têm a coragem de se maquilhar perante esta adversidade. Porque nós só saímos à rua mesmo para vos agradar, rapazes. E depois vocês gostam mais de nós ao natural.. quando já gastámos balúrdios na MAC e horas de sono a ver “contouring tutorials” no youtube. Too bad!

Miúdas, sejam vocês próprias. Quer isso implique usar maquilhagem ou não usar, de todo. A felicidade reside em sermos livres para fazer as nossas escolhas e, por vezes, essas escolhas resumem-se a coisas tão simples quanto colocar um eyeliner ou não. Pessoalmente, considero usar maquilhagem como uma obra de arte. É como pintar um quadro! E não me lembro de ouvir alguém perguntar “porque é que estás a pintar esse quadro? A tela fica muito mais bonita ao natural!”.

As pessoas que nos amam, adoram-nos de qualquer jeito e iriam achar-nos lindas mesmo que estivéssemos a usar a máscara de Dali a tapar a cara. As outras, who cares? São só tóxicas! Vão sempre pegar nas coisas boas que temos e espezinhá-las bem à nossa frente. E vão fazê-lo de um jeito tão “friendly” que até vai parecer que só querem o nosso bem. Mas não há ninguém que queira mais o nosso bem que nós próprias! Ou, pelo menos, assim deveria ser. Ah, e as nossas mães…as nossas mães também nos querem bem, mas já sabem como é, gerações diferentes…tem que se dar aquele desconto! (sorry mommy)

Ah, e para o caso de se estarem a questionar sobre “aquelas pessoas que se maquilham mesmo mal, blá blá blá, piroso“, deixem-me apenas partilhar convosco a nova definição de piroso.

Piroso é vivermos a vida com medo do que os outros poderão pensar sobre nós!

P.S.: acreditem ou não, esta crónica não foi escrita a meio de uma crise de TPM!