Longo e curto alcance

por Carlos Cunha | 2018.07.26 - 19:30

Os estudantes do Instituto Politécnico de Viseu, irão ver, no início do próximo ano letivo, a propina anual aumentada em 50€.

Enquanto por Viseu se paga mais para estudar no Ensino Superior, a Universidade de Aveiro, faz um  esforço adicional para conseguir captar para os seus cursos os bons alunos que terminam agora o ensino secundário com média de 17,5 valores atribuindo uma bolsa de mérito que dá para custear a propina anual e ainda sobra.

Captar os melhores torna o nível de ensino mais exigente, cria massa crítica e capacidade produtiva diferenciadora.

Esta política com pés e cabeça contribui para que a Universidade de Aveiro ganhe pontos e prestígio subindo nos rankings nacionais e internacionais. Em consequência, a Universidade torna-se mais atrativa e mais procurada por estudantes nacionais e internacionais, aumentando assim a sua capacidade de financiamento.

A galinha dos ovos de ouro, em matéria de financiamento para o ensino superior, está na captação de estudantes estrangeiros, que pagam de propina anual cerca de 3000€.

Por cá, quem dirige atualmente o IPV não tem essa visão de longo alcance, procurando soluções em medidas de curto alcance que resolvem problemas no imediato.

Carlos Cunha é militante do CDS-PP de Viseu e deputado na Assembleia Municipal. Licenciado em Português/Francês pela Escola Superior de Educação de Viseu concluiu, em 2002, a sua Pós Graduação em Educação Especial no pólo de Viseu da Universidade Católica Portuguesa.

Pub