Já alguém ouviu o secretário de Estado da Juventude e Desporto sobre o assunto?

por PN | 2017.04.10 - 18:36

 

Até já a comunicação social norte-americana fala do estudantes portugueses expulsos de um hotel em Torremolinos, na Andaluzia, em Espanha. Claro está, nem estamos a contar com os “media” do país vizinho…

Independentemente das razões que a todos assistirão, a montante da correlação das invocadas causas e efeitos, há um barulho ensurdecedor sobre o assunto que corre o risco de transformar, na opinião pública, 1.000 adolescentes e um episódio que se lamenta, em todos os jovens portugueses, tomando a árvore pela floresta.

Até já estou a ver o riso escarninho do tipo do BCE… Mas estou a ver mais e a tentar perceber que jovens são estes e de que agregados familiares são oriundos, capazes de gastar 500€, acrescidos do dinheiro de bolso para uma semana, com uma viagem de finalistas, decerto muito merecida, mas com um infeliz desfecho.

E estes mil jovens de que Escolas são? E se cada grupo de 30 jovens tinha um acompanhante da agência de viagens, ou seja, supostamente 30 e tal acompanhantes decerto experientes em lidar com situações folionas deste teor, qual foi a atitude deles perante os factos? E esses factos estarão de acordo com a atitude do empresário hoteleiro? O dono do hotel estava à espera de 20 autocarros (?) cheios com seminaristas de Braga?

E o empolamento desmesurado concedido ao sucedido é o acontecido efectivamente? Os invocados excessos cometidos debaixo da teoria reconfortante do espírito de grupo em férias, é a verdade nua e crua?

Certo é estar a passar nos “media” internacionais uma imagem constrangedora da juventude portuguesa que e decerto não corresponde à realidade dessa mesma juventude, em geral.

Estranhamente, o secretário de Estado da Juventude e Desporto, ainda não veio clarificar-nos o que se passou, como se passou, porque se passou. Em suma, tranquilizar-nos.

Mas essencialmente, ainda não veio dizer ao país que esta alegada onda de vandalismo não é prática, nem exemplo, nem modelo dos estudantes portugueses, que tão referencialmente são elogiados nas mais diversas áreas e pelos melhores motivos. Sei do que falo, pois nunca fui político, mas fui professor durante 4 décadas…

Águas inquinadas pelo silêncio, responsabilidades não apuradas e quase uma cumplicidade envergonhada que não fica bem ao titular da pasta em questão. Se fosse sobre um árbitro agredido em Canelas já o tínhamos ouvido.

Felizmente que temos um ministro da Educação.

http://expresso.sapo.pt/sociedade/2017-04-10-Ministro-reage-aos-alegados-incidentes-com-alunos-portugueses-Temos-seguido-com-atencao

(foto DR)