fuck news

por Maria José Quintela | 2017.06.29 - 12:02

 

 

que o poeta é um fingidor já todos o sabem. que o poeta finja ou minta é uma transgressão aceitável. nunca daí veio mal ao mundo. o mal está na proliferação de uma categoria de seres que finge e mente à desgarrada. e não são poetas. está certo que ninguém leve a sério um poeta. outro tanto não acontece com os não poetas. especialmente os de verborreia mediática. enquanto o bom senso arde entre o fundamentalismo e a utopia o ruído alastra contagiando os crentes e os não crentes. nunca a distância entre a mentira e a verdade esteve como agora no limite crítico da cumplicidade. misturam-se e abraçam-se sem escrúpulos nem preconceito. ora agora minto eu. ora agora mentes tu.

 

ponto de ordem: o fingimento de um poeta sempre serviu para salvar o mundo da realidade. o fingimento desses outros só serve a verdade aos próprios. fake news. é a nova modalidade de alienação. há quem deitando achas na fogueira jure a pés juntos e queime as mãos. são os que nunca se enganam e nunca têm dúvidas. e há a maria-que-vai-com-as-outras. entre uns e outros o diabo não escolhe. esfrega as mãos. com tantos pirómanos à solta o inferno é já ali. sem espinhas nem tentações.