Fruto proibido

por Vitor Santos | 2017.08.29 - 11:12

 

Maria sempre foi uma mulher especial e interessante. O seu sorriso verdadeiro e o seu corpo altivo davam-lhe um semblante de Mulher encantadora. Vivia, no entanto, a vida com muito formalismo e nem lhe ocorria que existia dentro dela mais vida…

Tinha potencial e este revelou-se quando nada o fazia crer. Maria provou e gostou. Quis mais. Ser mais. Sair da sua zona de conforto.

Maria surpreende-se a si mesma. A vida ganha outro sabor. A adrenalina seduze-a. A aventura excita-a. Os seus princípios sofrem uma mutação. Os limites são outros. A vida para Maria já não se compadece com a rotina.

O cuidado consigo cresce. O seu ego e autoestima sobem.

O seu secreto parceiro é agora o alvo de todas as atenções. Agradar-lhe, mesmo em momentos curtos, é um investimento. O prazer dele também é o seu. É sempre recompensada.

Os tabus caiem. As aventuras aumentam em contraciclo a essas quedas. E valem bem a pena.

Maria percebe que vale mais a paixão de um homem que os piropos de uma dezena. Alimenta-se de paixão e não de palavras circunstanciais. Não está disponível para qualquer um.

Maria faz por valer a pena e a sua vida ganha novos prazeres e um sorriso maroto que lhe fica maravilhosamente.

Mas… Maria tem de optar. E nessa contradição da vida, entre o compromisso e o secretismo da relação censurada, acaba por ceder.

Fez tudo para ficar até ao limite.

Tem de renunciar ao fruto proibido.

Maria volta à zona de conforto… de novo.

 

desenho de Paulo Medeiros

Vitor Santos nasceu em Viseu no ano de 1967. Concluiu o Curso de Comunicação Social no IPV. Conta com várias colaborações na Imprensa Regional. Foi diretor do Jornal O Derby.

Pub