Em So(m)brado

por Miguel Fernandes | 2018.06.28 - 18:44

 

 

Na última noite, durante a apresentação da digníssima Feira de S. Mateus, o Dr. Sobrado toma o púlpito, faz os agradecimentos devidos e, ainda no pré-clímax da sua pregação (sabemos que um vereador não é de ferro, portanto devemos conceder o direito ao clímax ocasional) afirma que está a formar “grandes quadros em Viseu“.

Naquele momento, ficámos a saber, que graças à sua intervenção, num futuro não muito distante, Viseu terá gente competente em áreas como a comunicação, a gestão, a programação, logística, entre outras.

Assim, um espectador mais desatento poderia assumir que, durante centenas de anos, o povo de Viseu atravessou um metafórico deserto de competências e quadros, agora, guiado pelo verdadeiro Messias, este nobre povo atingiu a terra prometida.

Sobrado acrescenta que não faltará muito para que ele não seja necessário entre nós, um apóstolo não existe sem missão e a do Dr. Sobrado está quase concluída.

O público, filho da carne, jubiloso por finalmente estar perante um filho da promessa, aplaude.

Na minha aldeia, composta por gente séria, trabalhadora, competente, mas pouco ortodoxa nos modos, estava apresentada a dica para pegar o santinho em ombros, não esquecendo o andor, e devolver à procedência.

Miguel Fernandes, nascido em Viseu nos anos 80, durante a adolescência foi consumidor hiper-activo de televisão, música pop e lustrosos clássicos herdados do seu avô paterno. Tornou-se forasteiro, no seu próprio país, primeiro dedicou-se à Ciência Política depois à Gestão, quando finalmente percebeu que "Greed is not Good" regressou à planície beirã.

Pub