Em busca do P perdido

por Alexandra Azambuja | 2018.01.08 - 10:42

 

 

Há mais de 20 anos que trabalho em Comunicação e recebo clientes que se dirigem a uma agência criativa quase sempre com a mesma necessidade: ganhar mais.

Longe de ter receitas milagrosas, sei por experiência própria que o mundo do marketing e da comunicação está eriçado de palavreado obscuro para a maioria das pessoas, desde o  significado de briefing até ao pixel de retargeting.

E se começássemos pelo início de tudo?

Quando alguém procura uma agência é  como quando vamos ao médico e nos queixamos:

 – Dói-me aqui…

O “dói-me aqui” de uma organização – empresarial, institucional –  pode ser tão variado quanto os ziliões de queixas diferentes que um médico de família ouve diariamente. Pode ser apenas ter uma marca desconhecida que precisa de se afirmar e ganhar notoriedade, ou pode ser algo muito concreto, como a apresentação a investidores de um empreendimento imobiliário que ainda não existe.

E tal como numa consulta médica, numa reunião com uma agência criativa é preciso que o cliente se “queixe” e dê informações sobre o “paciente”. Vamos querer saber coisas como o que faz a empresa,  a sua história, em que mercados e segmentos opera, como são os consumidores, os prescritores, os influenciadores, quem decide a compra, quem são os principais concorrentes, o que se pretende exactamente com o trabalho, como se posiciona a empresa e mais algumas coisas.

É muito?

Nesta área não há receitas generalistas. Cada caso é um caso, cada trabalho exige uma resposta única.

–      Ah e se for só um site? Isso é simples? E rápido?

Eu perguntar-lhe-ia se um site resolve todas as necessidades de comunicação da sua empresa?  Como é que os seus clientes, fornecedores e parceiros vão saber da existência do seu site? Como é que a presença online da sua organização se articula com o seu offline?

A resposta para esta e muitas outras questões é integração.

Nada em comunicação vive e agrega valor sem integração e planeamento. É preciso pensar a estratégia de comunicação da sua empresa antes de fazer peças e acções desconectadas.

Aqui chegados, chegamos ao que interessa: se lhe tentarem vender soluções avulsas de comunicação,  fuja.

 

Alexandra Azambuja

publicitária

 

Já agora, o P perdido do nome desta rubrica é o P de “promotion” do marketing tradicional, a comunicação de que aqui lhe falo. Os outros P são aqueles que já domina – Product, Price, Place. Há ainda novos P no marketing, mas isso agora não interessa nada, como se costuma dizer…