Eleições na ASPP/PS no 1º semestre de 2018

por José Chaves | 2017.12.22 - 13:46

No primeiro semestre de 2018 a ASPP/PSP vai a eleições.

É pois um momento marcante na vida deste sindicato que tem mais de 40 anos de existência.

 

É também o exercício democrático de uma actividade que precisa de ter enorme capacidade de autocrítica, renovação e constantes abordagens novas para problemas que, em muitos casos, são os mesmos de sempre.

Os dirigentes atuais, nos quais eu me incluo, precisam de crítica, precisam que apareça gente nova, com novas ideias e até, se for por isso, pessoas com mais determinação na resolução dos problemas que afetam a classe.

É por isso que lanço o apelo a todos os polícias mais novos que queiram, que tenham capacidade interventiva, que tenham novas ideias, que tenham os argumentos necessários para convencer o poder na resolução dos problemas que hoje assolam a PSP, apareçam e candidatem-se a uma organização que hoje, além da credibilidade que granjeou junto do poder, é também muito respeitada pelos seus parceiros e em geral por toda a comunidade.

A todos os polícias que nunca estiveram ligados ao sindicalismo, ou estiveram mas sem ser na ASPP/PSP, eu digo que esta é uma boa possibilidade de integrar uma estrutura que, além da capacidade organizacional, implementada por todo o país, representando todos os polícias, tem ainda, como nenhuma outra, esta forma democrática de estar junto dos seus associados. Pertencer à ASPP/PSP é sinónimo de ser ouvido e ser-lhe possível integrar a organização e contribuir para que o seu trabalho seja melhor e com isso ganhem os polícias.

Para quem queira assumir-se definitivamente como defensor dos direitos dos polícias, tem agora em 2018, como terá seguramente em outros atos eleitorais a possibilidade de integrar uma organização que lhe garante, entre outras coisas:

– Uma história única na defesa dos direitos dos polícias;

– Democracia na organização;

– Duas assembleias gerais ordinárias por ano, sem prejuízo de outras extraordinárias, com participação a todos os associados que queiram estar presentes e intervirem, votarem e proporem medidas, colocando as suas dúvidas e criticando o que bem entenderem;

– Reuniões sistemáticas, com todas as estruturas da PSP que queiram e os associados manifestem essa vontade;

– Transparência absoluta nas contas, como tem sido apanágio mas assembleias gerais em que tudo é ali descortinado;

– Apoio de um gabinete jurídico que lhes garante a abordagem dos mais variados temas com fundamentos jurídicos para as diversas reuniões, sejam elas com a tutela ou com a administração;

– Uma organização sem paralelo no sindicalismo da PSP por todo o território nacional com a garantia de chegarmos a todos;

– Um sindicato que representa todos os polícias.

É pois tempo dos que andam nas redes sociais a criticarem tudo e todos, que se assumam de vez e venham integrar a estrutura da ASPP/PSP e mostrem como as suas ideias podem servir e garantir mais e melhores condições de trabalho aos polícias. É pois tempo, daqueles que nos corredores vão criticando o poder, alguns até o sindicalismo, que venham até à ASPP/PSP, candidatem-se, ganhem as eleições e façam um trabalho em prol de todos.

Eu pela minha parte, como estou certo a maioria dos dirigentes atuais da ASPP/PSP, estamos na disposição de ajudar todos os que queiram integrar a ASPP/PSP, seja fazendo parte da estrutura, seja como meros associados.

Estamos pois à espera de quem queira, possa, seja capaz de por intermédio da ASPP/PSP fazer muito pelos polícias.

Vice-presidente da Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP)

Pub