Duas breves notas…

por PN | 2018.01.23 - 16:01

 

 

A GNR tem-se mostrado uma força policial com uma capacidade de intervenção quotidiana invulgar. Mas não só. Tem-se mostrado também inovadora, moderna, interventiva e criativa, até, numa pluralidade de acções variadamente abrangentes, onde nunca são esquecidas as franjas da população mais fragilizadas, nomeadamente as crianças, os idosos e os cidadãos portadores de deficiência, assim como as potenciais zonas de maior risco populacional.

A GNR, por tantos, tanto tempo considerada uma força de segurança altamente conservadora, virou a sua agulha de intervenção 180 graus e, numa inequívoca transparência, ao invés de outras forças do sector, comunica com a sociedade que serve, de uma forma altamente exemplar.

Congratulamo-nos com isso e deixamos aqui os parabéns a todos que tanto e tão anonimamente se esforçam “Pela Lei e Pela Grei”.

 

 

“A população começou já a diminuir, precisamente, ao nível da população jovem e da população ativa. O poder de compra é o mais reduzido de todas as capitais de distrito do centro e do interior do país. Nos últimos rankings sobre cidades/municípios, globalmente e em dimensões significativas, Viseu tem descido de posição. Os rácios per capita de investimento económico e de criação de emprego são muito inferiores aos municípios industrializados vizinhos e aos de cidades nacionais da escala de Viseu.”

 

Estas são palavras de Pedro Baila Antunes, docente do IPV e vereador do PS na autarquia viseense.

É evidente que, PBA, como qualquer munícipe lúcido vê isso com clareza. Só estranhamos é que os viseenses, em geral, desta realidade tanto se alheiem. Isto não é fazer política de agenda. É inquestionável análise da realidade factual.

O resto é charivari mediático. Ou, à beiroa, inócuo “fogo-faralho”.