Deputados abanadores de cabeça

por Fernando Figueiredo | 2019.06.26 - 07:24

Se perguntarem à população do distrito de Viseu quem são os seus eleitos e representantes no Parlamento Nacional o mais provável é que a grande maioria nem sequer conheça o cabeça de lista.

O PS não foge à regra e basta olhar para o registo de actividade próxima de zero dos deputados socialistas eleitos por Viseu para se perceber do trabalho de cada um em prol do distrito e suas gentes.

É por isso curioso verificar que de repente durante as jornadas parlamentares que o PS escolheu fazer em Viseu, deputados que passaram uma legislatura na sua função de abanadores de cabeça venham agora reclamar louros do seu trabalho e propagandear resultados que só existem no papel que lhes colocam à frente para ler.

Um desses megafones, confesso que nem sabia que já tinha direito a palco dado que nunca lhe vi uma ideia nem uma opinião, veio começar por colar o distrito ao “Cavaquistão”, provavelmente com a ideia do que lhe vai caber em sortes com Ruas na liderança PSD para de seguida afirmar sem sequer se rir que “pela mão do PS, o distrito de Viseu se tornou efetivamente um centro estratégico de Portugal”.

Quase me fez lembrar o executivo viseense conhecido por prometer e nada fazer, pelo que para este ilustre político, o PS “na presente legislatura, que está quase a terminar, tinha três grandes objetivos para o distrito: O IP3 será requalificado, a consignação da obra está feita; a ampliação da urgência do Hospital de Viseu recebeu o visto do Tribunal de Contas, por isso a obra pode ser realizada; e o Centro Oncológico de Viseu vai ser construído”.

Não satisfeito com a banha da cobra vendida, a finalizar, ainda fez uma graça com os dias pares e ímpares que não vou referir porque há gente que é idiota todos os dias.

Depois, o bolo na cereja, tal e qual assim porque com Carlos César primeiro a família e depois o distrito, de modo que guiado pelo peixe de águas turvas de Resende e com os gráficos martelados pela concelhia de Viseu, salta para o palco para deixar a mensagem de que no distrito de Viseu com o PS o desemprego desceu 30%.

Se Carlos César não fosse o incompetente político que é saberia que no 1º trimestre de 2019 até subiu dado que no ano de 2018 no distrito fecharam empresas como as Águas do Caramulo, ou em Oliveira de Frades, um dos concelhos onde a zona industrial foi das mais atingidas pelos fogos de 2017, a empresa de meias Jacob Rohner viu-se forçada a despedir 38 das mais de 50 trabalhadoras, ou em Nelas onde têm um badalado autarca socialista, a empresa Mendes & Morais fechou portas e 90 pessoas engrossaram os números do desemprego na região, ou a Covercar reduzida a 47 funcionários quanto já teve mais de 180, etc., só para citar alguns exemplos.

Saberia que ainda a semana passada os vereadores socialistas na autarquia de Viseu levantaram na comunicação social e na reunião de câmara o facto comprovado pelo INE de que o distrito de Viseu viu perder população nos últimos cinco anos em todos os concelhos, mesmo nas cidades com maior desenvolvimento económico, sendo que na sede de distrito, o decréscimo é de quase 1500 pessoas, um cenário que o presidente da autarquia diz não ser real agarrando-se aos dados da população imigrante, o que também é falso dado que o saldo migratório é negativo, como também a oposição o provou com base nos dados INE/PORDATA, ou seja, em matéria de mentirosos estamos bem servidos e portanto, dispensamos bem o amigo Carlos César e a sua propaganda bacoca.

O que se esperava é que as jornadas parlamentares do PS servissem para constatar a realidade de que o Dão-Lafões tem características que o afastam cada vez mais das sub-regiões mais desenvolvidas, nomeadamente ao nível da demografia, onde tanto o peso da população empregada no sector primário e secundário como o valor do Produto Interno Bruto (PIB) e do Indicador per Capita do Poder de Compra estão longe das suas congéneres tornando cada vez mais visível a sua vertente rural.

O que se esperava é que César e os seus apaniguados viessem anunciar a ligação por comboio Aveiro x Viseu x Vilar Formoso, o fim das portagens na A25, uma redução de 10% na factura de energia eléctrica para as empresas, etc… e não apenas este palavreado de encher pneus que o povo esclarecido já não suporta e que o JMT bem explicou no discurso do 10 de Junho, que cito por saber que César e os seus iguais o detestaram.

No mínimo se não tinham nada para anunciar de positivo ao menos que indicassem que o cabeça de lista do PS é uma cara nova, com capacidade de liderança e capaz de galvanizar uma equipa trabalhadora e dinâmica onde nenhum dos actuais deputados cabe e nem tão pouco os repetentes serão chamados a mostrar que com as mesmas caras e as mesmas ideias o distrito não ficará diferente do que já é, uma das regiões mais acabrunhadas e subdesenvolvidas de Portugal.

Do resto, despareçam lá para Lisboa e não vão pelo IP 3 que aquilo está e continuará a estar um nojo, como bem sabem!

Façam boa viagem!

Fernando Figueiredo

(Foto DR)

Forjado na Beira Alta, aos 56 anos dá-se por bem casado e aprecia a companhia de três filhos, dois ainda na fase de espalhar magia a toda a hora; em família dá-se como feliz, apenas por o fazerem feliz. Como os duros estudou na Academia Militar, que não é para meninos e na época em que ainda se viajava de pé no comboio mas teve ainda tempo para queimar as pestanas em Gestão de Recursos Humanos. 36 anos “militarizado” vê-se agora na reforma a procurar ser “civilizado”. Em termos profissionais esteve no Iraque e voltou para contar, também esteve em Timor onde bebeu água de coco e visitou Jaco, erro fatal que lhe deixou o coração preso nas valorosas gentes timorenses e nas paisagens únicas do País que ajudou a ver nascer independente já no Séc XXI. Nos tempos livre actualiza o blog mais lido e odiado do delta do Dão, o Viseu Sra da Beira, e ainda escreve textos para jornais mas, poucos o lêem. Homem sem grande preocupação em fazer amigos, escreve o que entende sobre quem não consegue entender. Tais liberdades já lhe valeram um par de processos em tribunal, sem nunca se ter declarado Charlie. A genética deixou-o sem um único cabelo mas está careca de saber que os valores do trabalho, da honestidade e da amizade são o maior legado que o pai lhe deixou. Benfiquista moderado, gosta mesmo é de um bom jantar na companhia dos melhores amigos. Agora como empresário e homem de negócios só aceita de lucro o necessário para viver e distribuir por outros e de comissão a 100% a ética, a responsabilidade e o profissionalismo. É garantidamente mais bonito ao vivo que em foto.

Pub