Deixem o bitoque de vaca em paz

por Carlos Cunha | 2019.09.20 - 09:41

O reitor da Universidade de Coimbra decretou esta semana a proibição de se consumir carne de vaca, a partir do início do próximo ano, na cantina daquela prestigiada instituição de ensino. Refere que esta é uma medida simbólica destinada a combater as alterações climáticas, fruto do forte impacto ambiental causado pela produção do gado bovino.

O bom do reitor estará cheio de magníficas intenções ao tomar tal deliberação, que agrada a uns e desagrada a outros. O ilustre senhor reitor quer que os estudantes daquela academia andem doravante movidos a folhas de alface e molhos de grelos.

A proibição total do consumo de carne de bovino é um acto insano, prepotente e autoritário, que deve ter feito corar de vergonha gente ilustre que, em tempos não muito remotos, se bateu pela liberdade na academia coimbrã e no país.

A liberdade é a maior e a mais importante de todas as conquistas da revolução de Abril. Ter liberdade para escolher o que como ou com quem me deito, são escolhas estritamente pessoais, que pretendo continuar a manter. Se querem que respeite quem opta por comer estritamente cenouras, pepinos, curgetes, nabos ou tomates, respeitem igualmente a minha opção de almoçar um bife de vitela com as indispensáveis batatas fritas.

A moderação deve funcionar como o fiel da balança entre a liberdade e a proibição e o fundamentalismo jamais se deve sobrepor ao bom senso.

Até lá um naco na pedra para mim e um feixe de suculenta palha para o magnífico reitor!

Carlos Cunha

Carlos Cunha é militante do CDS-PP de Viseu e deputado na Assembleia Municipal. Licenciado em Português/Francês pela Escola Superior de Educação de Viseu concluiu, em 2002, a sua Pós Graduação em Educação Especial no pólo de Viseu da Universidade Católica Portuguesa.

Pub