Comboio intercidades descarrila por desabamento de pedras

por PN | 2018.03.05 - 14:25

 

 

Esta notícia podia ser de um acontecimento em qualquer parte do país onde, a morfologia, pelo seu acidentado, originando grandes desníveis, incidisse sobre estradas públicas ou linhas férreas.

As consequências reais dos incêndios que nos têm assolado nos últimos verões ainda estão globalmente por apurar. Sabemos das vítimas mortais, dos bens perdidos, da área ardida. Sabemos estimativamente das consequências sobre a migração e a extinção da flora, sobre as alterações a médio prazo das condições climatéricas, mais frio no Inverno, mais calor no Verão, menor humidade, etc. Porém, por vezes, esquecemos que e nos terrenos ardidos com morfologia acidentada, a erosão do solo atinge patamares incrivelmente altos. Em consequência e entre outras, muita terra caia e muitas pedras rolem montes abaixo, algumas sem grandes prejuízos, outras causando perigosos danos e riscos, ao incidirem sobre estradas e linhas férreas.

Daí que, com as chuvas enfim chegadas, tudo se solte e venha de arrasto cair pela base. Altura e época de cuidados reforçados e vigilância atenta por tudo quanto sejam vias circulatórias e rodoviárias, por parte da CP, das Estradas de Portugal e autarquias, nas estradas municipais sob sua responsabilidade.

Talvez assim se evitem acidentes como o relatado no link infra, o qual provocou o descarrilamento de um comboio intercidades da Guarda e Lisboa, que e apesar dos 75 passageiros, não teve felizmente feridos a lamentar.

 

https://www.jn.pt/local/noticias/viseu/santa-comba-dao/interior/comboio-que-seguia-para-lisboa-descarrila-com-89-pessoas-a-bordo-9160325.html

(Foto DR)