A vigilância é sinal de quê?

por Jéssica Ferreira | 2019.09.20 - 15:39

Estranha personagem, a do presidente francês Emmanuel Macron, pelos seus detratores designado de “MicroMacron”.

Soube-se agora que tem no seu telemóvel uma aplicação através da qual controla o trabalho e o desempenho de todos os seus ministros e aos quais, ameaçador, se dirigiu nestes termos, segundo o jornal “Le Figaro“:

“Se não mudarem, quem vos muda sou eu!”

Esta APP pessoal usa um sistema de aferição por cores e percentagens que lhe permite monitorizar dia a dia o impacto ou sua ausência, das medidas políticas e sociais preconizadas por cada ministro nos respectivos ministérios.

Assim parecido com um GPS que se instala no veículo de trabalho de um colaborador, para saber a que locais vai, ou por onde anda.

A atitude de Emmanuel Macron pode evidenciar as seguintes causas:

Necessidade de auto-afirmação, recorrendo a actos arrogantes e prepotentes;

Inércia de tal forma grave do seu elenco governativo que justifica sejam tomadas medidas drásticas e invulgares;

Uma crescente crise em França que aproxima do desespero a elite governante;

Medo do falhanço das medidas pelas quais este governo é responsável;

Todas as causas juntas e mais algumas.

De qualquer forma, uma coisa parece ser inquestionável: a diplomacia que tantos anos, mais ou menos hipocritamente, habitou o Palácio do Eliseu, parece ter feito o seu “déménagement” lá para as bandas de Argel.

Jéssica Ferreira