A VELHA ERA LEVADA DA BRECA…

por Cílio Correia | 2017.04.13 - 19:43

 

 

 

Em tempos que já lá vão, um casal de velhotes vivia junto às margens de um ribeiro onde tinham construído a sua habitação, pois ficava perto das terras para melhor deslocação para as tratar e junto dos animais que ali podiam pastar à vontade. Um prado sem sebes.

E por ali viviam. Uma noite invernosa com uma aragem de gelar fez com que o casal recolhesse mais cedo. Assim que acabaram de jantar o homem foi dar a volta ao gado que estava no redil, um pouco afastado da residência, com o necessário para os tratar.

A mulher ficou a cuidar da casa e quando estava para se deitar, precisou de sair, e ao abrir a porta para despejar o balde água suja, não se conteve e exclamou:

— Mas que noite de inverno, está mesmo bom para ladrões!

Eis senão quando uma voz lhe retorquiu:

— E aqui os tem, minha velha, vamos lá que se faz tarde…

Sem se perturbar, a mulher convida-os a aquecerem-se à lareira que ainda crepitava e que atiçou com mais duas cavacas colocadas a preceito, dizendo que lhes iria saciar a fome com uma boa refeição. Os malfeitores acomodaram-se o melhor possível e pousaram as armas, tal era a descontração. Alegando ir buscar uma galinha para lhes preparar o pitéu, a mulher saiu de casa e avisou o marido para ir pedir socorro. O homem assim fez.

Foi dando conversa aos meliantes enquanto preparava a refeição, aproveitando a distração dos bandidos, para deitar água nos canos das armas, para impedir o seu uso.

Quando os bandidos já comiam a ceia, surgiram as autoridades para dominar e prender os criminosos. Surpreendidos, sacaram das amas, mas de nada lhes serviam, não dispararam, estavam inutilizadas pela água. Andavam a monte havia já muito tempo, seguiram o caminho da prisão.

 

(Histórias à lareira)