A revista Evasões assentou arraiais em Viseu

por PN | 2017.10.19 - 08:51

 

 

Deverá ser um “study case” afectivo. Ou efectivo. O que é certo é que, volta e meia, ela aparece e com uma redobrada dedicação e fidelidade quase canina por Viseu.

Que muito reconhecida lhe ficará, se não for ingrata…

Daí, que apareçam por cá uns jornalistas maravilhados com os alojamentos de sempre, os restaurantes do costume, os inamovíveis monumentos, o património a luzir e as tradicionais quintas da grande confraria dos amigos da pinga.

É evidente que tal furor jornalístico, tal deslumbramento croniqueiro terá o seu preçozinho…

Mas que é isso se se as quintas do tinto venderem mais litros? Se os hotéis do costume tiverem mais ocupação? Se os restaurantes habituais venderem mais refeições?

Claramente, estamos perante uma política de enriquecimento da cidade – não das suas freguesias – que em muito tem contribuído para a melhoria da qualidade de vida e prosperidade de TODOS os munícipes, neste ano oficial de visitar Viseu. “A nova vida de Viseu”, porque com Fernando Ruas, era “a velha”…

O amigo leitor ainda não notou que está mais rico? Que anda mais venturoso e feliz?

Que paga menos IMIs, derramas e outros?

Que a cidade está próspera e feliz, pois a vida nela é uma festa constante?

Anda decerto distraído…

Pela minha parte, vou comprar um porta moedas mais ancho, pois os lucros resultantes deste “carinho mediático”, já não me cabem na diminuta e delgada surrada carteira.

Quanto ao Compadre Zacarias, perplexo pergunta: “Mudaram o layout do boletim camarário?”