A Fraude

por Alexandre Borges | 2015.11.21 - 14:10

 

 

Soube-se hoje, pese embora não seja realmente uma surpresa para muitos, que Risco da dívida da TAP fica no Estado”.

O anterior governo, o que nos garantia que o país estava numa forma impressionante (uma forma de fazer inveja ao Sporting de Sá Pinto, talvez), o da patranha eleitoral da devolução da sobretaxa de IRS, arranjou mais uma forma de lhe ir ao bolso para beneficiar uns poucos.

fraudd

Diz o Expresso que  os bancos ficaram, na prática, com uma garantia pública à divida de 770 milhões incluindo 120 que os novos donos injectaram no que é agora seu. Se a coisa correr mal o Estado, todos nós, dá um confortozinho devolve o dinheiro ao sr. Neeleman por intermédio do sr. Pedrosa. Admirável. Quem validou esta solução devia ser premiado e, sei lá, ir vender o Novo Banco “sem custos” para o contribuinte.

Os almuedems de serviço, que nos garantem que está a decorrer uma “fraude eleitoral” no parlamento, que esquecem a simples aritmética parlamentar, que se recusam há anos a encarar a realidade, não quererão adjectivar este “negócio”?

Como podemos catalogar esta pouca vergonha que defenderá certamente muita coisa mas muito dificilmente o interesse público, o interesse de todos nós, e que deveriam colocar no topo das prioridades?

 

 

Natural de Canas de Senhorim. Licenciado em geologia pela UC.
Virulentamente bombeiro.
Gosta de discussões cordiais, de vaguear pelo mundo munido de auscultadores.

Pub