O LAMENTO DE CIELA – CRETA

por Rua Direita | 2019.11.30 - 13:55

Esta peça de teatro, é escrita e encenada por Guilherme Gomes e em palco estão Carla Galvão e Bruna Maia de Moura.

A obra tem a sua estreia absoluta na inacabada Igreja Madre Rita, dia 6 e 7 de Dezembro.

A entrada é gratuita, mas a lotação limitada obriga a reservas, pode fazê-las em https://creta.teatrodacidade.pt/actividades/lamento-de-ciela/


SOBRE A OBRA, GUILHERME GOMES ESCREVE


Este lugar é hostil. É um deserto. É um rio. É um templo.
É neste lugar que Ĉiela há de morrer. Podemos senti-lo aos primeiros sintomas dela. É neste lugar que um Pierrot – estranho até aos olhos de quem com ele sonhou – encontra refúgio. É neste lugar que ouvimos a música que ele toca.
Neste lugar hostil, neste deserto, ou rio, ou templo.
O “lamento de ĉiela” nasce da vontade de compreender o conceito de anomia pela perspetiva de um migrante, sem dar ao migrante demasiada definição para além daquela que nos diz que ele está entre o lugar de onde vem e o lugar para onde vai. Emprestamos-lhe o Esperanto para, precisamente, aproximar os espectadores – talvez não de Ĉiela, mas uns dos outros. Em comum têm, qualquer que seja a nacionalidade, o não partilharem origem com esta moribunda.
A caminhada de Ĉiela e do Pierrot, a discrição destas duas vidas, a importância de um lugar, o espaço para o sonho, todos estes elementos encontram no espectáculo uma espécie de ponto de fuga.


FICHA ARTÍSTICA
Texto e Encenação: Guilherme Gomes
Assistência de Encenação: Nídia Roque
Com: Bruna Maia de Moura e Carla Galvão
Desenho de Luz: Rui Seabra
Financiamento: Viseu Cultura – Animar
Apoio: Município de Viseu, Cria Verde, CAL, Associação Portuguesa de Esperanto, Casa do Conselho de Tomar
Produção: CRETA – laboratório de criação teatral
Produção: Executiva Ana Seia de Matos
Cartaz: L Filipe dos Santos
Fotografias: e Design Luís Belo

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub