O Género Mora na Cabeça

por Rua Direita | 2019.09.21 - 06:21

Às 21h45 de dia 28 Setembro na Sementeira 7


O Género mora na cabeça. Entre as pernas é só sexo. 


Passados 50 anos das revoltas de Stonewall ainda existem muitos preconceitos e tabus por desconstruir, mensagens de ódio, e assistimos a crimes contra pessoas que não correspondem às normas impostas pela sociedade heteronormativa, machista e patriarcal. 


Um ano após a realização da primeira Marcha de Viseu pelos direitos LGBTI+, em que mais de mil pessoas marcharam, recordamos esse histórico dia (7 de outubro de 2018) da cidade viseense com a estreia da curta documental O DIA EM QUE MARCHAMOS, de João Figueiredo e Inês Cortes. 


Começamos com uma marcha, em protesto, para se seguir um momento único na SEMENTEIRA, um verdadeiro canto ao amor, com UN CHANT D’AMOUR, de Jean Genet, um ensaio poético sobre a homossexualidade musicado ao vivo pela ANA DEUS e GUILHERME MAGALHÃES
Segue-se a interpretação do texto O MEU TRANSGÉNERO É UM CAMPO DE BATALHA, um manifesto “que ataca o binarismo de género com a acutilância política e o lirismo indomável que o caracterizavam”, escrito por Sérgio Vitorino e de António Alves Vieira
A sessão LGBTI da Sementeira termina com o concerto de FILIPE SAMBADO, um dos dos nomes mais sonantes do panorama musical português que, com as suas letras, combate a discriminação sexual, de género e racial.
E se eu parecer uma mulher O que é que isso quer dizer Visto sempre o que eu quiser Dê lá por onde der. 

UN CHANT D’AMOUR Foi o único filme realizado por Jean Genet. A história do relacionamento entre dois presos e do guarda que os observa, reflectida num “erotismo lírico e desesperado”, foi censurada durante anos até ao final da década de setenta. —ANA DEUS Ana Deus nasceu em Santarém em 1963 e vive no Porto desde 1981. Sempre se interessou por música, poesia e desenho. Começou o seu percurso musical em 87 no grupo pop Ban. Em 93 inicia com a escritora Regina Guimarães e o músico Alexandre Soares o grupo Três Tristes Tigres. Tem musicado poesia de autores variados. O seu último trabalho editado chama-se Ruído Vário, canções sobre poemas de Fernando Pessoa. 

GUILHERME GUIMARÃES Guilherme (ou Gui), nasceu em Gaia em 1989 e toca guitarra há uma data de anos. Actualmente faz parte do colectivo SONO e dá aulas num curso de jazz dois dias por semana.  
FILIPE SAMBADO Filipe Sambado inaugurou o seu percurso musical em 2012 com o lançamento do EP Isto Não É Coisa Pra Voltar a Acontecer. No entanto, aconteceu mesmo e assim chegaram até nós 1,2,3,4 e Ups… Fiz Isto Outra Vez, que abriram caminho para Vida Salgada, o seu primeiro longa duração lançado em 2016. O seu mais recente trabalho Filipe Sambado & Os Acompanhantes de Luxo foi editado em Abril de 2018 com selo NorteSul/ Valentim de Carvalho. Aclamado pela crítica especializada e pelo público, foi considerado o melhor disco nacional do ano pela Antena 3, Radar, Vodafone FM, entre outras publicações, e nomeado para os Prémios SPA 2019 na categoria de Música — Melhor Trabalho de Música Popular.-

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub