NOVA TEMPORADA NO TEATRO VIRIATO

por Rua Direita | 2017.09.05 - 21:13

SETEMBRO a DEZEMBRO’17

 

 

A programação para o último quadrimestre do ano segue a linha do que tem sido uma preocupação desta casa ao longo destes 18 anos de atividade, que é sobretudo questionar e desenvolver o nosso olhar pela atualidade. Na programação, destacam-se cinco estreias, a apresentação de quatro projectos de longo curso e o ciclo New Age, new Time. Mantemos as relações privilegiadas com os artistas nacionais, mas também com os artistas da cidade de Viseu e mantemos as relações com as escolas e com diversas instituições.

Paula Garcia, durante a apresentação da programação de SET a DEZ’17

 

 

Luis Miguel Cintra estreia-se no palco do Teatro Viriato (e abre a temporada) com a apresentação de As Árvores (dos Desgostos) (14 e 15 de setembro). Trata-se do terceiro e quarto atos do projeto intitulado Um D. João Português que tem vindo a ser desenvolvido pelo encenador ao longo de 2017 em diversos pontos do país. Neste novo trabalho, que será apresentado na íntegra em 2018, Luis Miguel Cintra coloca em questão a responsabilidade ética dos comportamentos sociais e morais. Também o coreógrafo Romulus Neagu estreia em Viseu Unbounded (27 e 28 de setembro). Uma peça coreográfica que se centra na adolescência, na fase de profundas alterações físicas e emocionais, estabelecendo também paralelismos entre este período e o desenvolvimento de processos artísticos. A finalizar o mês de setembro, a programação abre espaço ao encontro entre o discurso do pianista Filipe Raposo e do desenhador António Jorge Gonçalves, ao abrigo da parceria com o VistaCurta do Cine Clube de Viseu. Em 4 Mãos (30 de setembro), os dois artistas apresentam, para famílias, um jogo de improvisação ao vivo, um espetáculo de linguagem não-verbal, um sortilégio sensorial.

O encenador Tiago Guedes regressa a Viseu com um texto de Henrik Ibsen, no qual o autor resgata a mentira necessária para se atingir a felicidade. Com um elenco repleto de nomes conceituados, O Pato Selvagem (07 de outubro) confronta o público com a tendência humana para impor, de forma totalitária, apenas um ponto de vista. A associação cultural Gira Sol Azul convida os mais pequenos a embarcar na nau Pequenos Piratas (12 a 14 de outubro), um concerto encenado onde o rock será o fio condutor. Pensado para famílias com crianças a partir dos 3 meses, este é um concerto que desafia o público infantil a espicaçar as suas capacidades e inteligências. A nova programação não se circunscreve ao espaço físico do edifício, e volta a sair para a rua. Desta vez com o Teatro das Compras (12 a 14 de outubro), um projeto de Giacomo Scalisi, que propõe transformar a relação do público com quatro lojas da cidade de Viseu: Farmácia Marques, Farmácia Portugal, Barbearia Avenida e Barbearia Marques. O elenco deste projeto conta simbolicamente com três jovens atores profissionais naturais de Viseu, que iniciaram com o Teatro Viriato a sua relação com as artes performativas: Gabriel Gomes, Guilherme Gomes e Sofia Moura. Ao projeto junta-se também o encenador e ator Graeme Pulleyn, a atriz Rafaela Santos e os dramaturgos Fernando Giestas e Jorge Palinhos. Esta é a primeira edição do Teatro das Compras fora de Lisboa. Falar de amor é a proposta de Patrícia Portela e Cláudia Jardim na estreia de Por! (20 e 21 de outubro). Uma performance que, a partir de excertos de vários autores de grandes poemas e histórias de amor, procura refletir sobre o espaço do romance numa sociedade atual. Até porque afinal de contas o que é isso de estar enamorado?! Nota importante. No âmbito desta estreia, as artistas irão desenvolver, no dia 18 de outubro, uma leitura de poemas de amor no Museu Nacional Grão Vasco. Uma forma de aproximar o público deste tema tão intemporal. A leitura ocorrerá junto do quadro Camões e as Tágides, de Columbano Bordalo Pinheiro e destina-se a todos os públicos, sendo a entrada gratuita. Artista apoiada pelo Programa de Convite à Criação Artística Nacional da Rede 5 Sentidos, Raquel Castro apresenta em Viseu Olhar de Milhões (28 de outubro). Uma peça de teatro que evoca algumas questões e problemas do presente mapa político e social. Antes de se lançarem numa aventura pela Europa, o grupo viseense Galo Cant’Às Duas (30 de outubro) inicia a sua viagem na cidade que os viu nascer. No Teatro Viriato dão a conhecer o seu primeiro trabalho discográfico: Os Anjos Também Cantam.

A tragédia lírica de Francis Poulenc e Jean Cocteau, A Voz Humana (04 de novembro), traz a Viseu o trabalho de João Paulo Santos, Lúcia Lemos, Vasco Araújo e Jean Paul Buchieri, numa proposta que interseta a cena lírica com a performance e a imagem em movimento. A irreverente dupla Cláudia Jardim e Diogo Bento retoma a clássica história de amor Romeu e Julieta através dos ingredientes de uma sobremesa e dos passos da receita de um cheesecake. Neste Romeu & Julieta (07 a 11 de novembro) o drama confunde-se com o queijo ricotta, o sangue dos amantes será o doce de goiaba e uma dentada numa bolacha Maria poderá ser a alternativa deliciosa para um coração partido.

O mês de dezembro convida novamente as famílias, bebés e crianças e regressarem ao Teatro Viriato, neste caso a uma experiência artística que se assemelha a uma casa, um ventre, um convite à imaginação. ZYG (04 a 09 de dezembro) é uma experiência num espaço imersivo onde a música e a dança se cruzam para explorar as fronteiras entre a comunicação, o jogo informal e a descoberta dos sentidos. Enquanto artista residente, Henrique Amoedo desenvolve de 11 a 15 de dezembro uma ação de formação para professores do Ensino Básico, Secundário e outros profissionais interessados pelas áreas da dança e da educação especial. Nesta ação, o coreógrafo do Grupo Dançando com a Diferença irá fornecer aos participantes diferentes perspetivas sobre a utilização da dança enquanto recurso educativo e aplicação de diferentes métodos e técnicas visando a inclusão escolar. Depois de uma primeira etapa da viagem de Os Lusíadas de Lisboa à Índia concluída, o ator António Fonseca embarca novamente na obra singular de Luís Vaz de Camões para guiar alunos e professores no regresso até Lisboa (14 de dezembro). Com um estilo inconfundível, repleto de provocações, questões, sarcasmo e profundo conhecimento da obra de Luís Vaz de Camões, o ator revive de forma única esta viagem com mais de 500 anos. A temporada SET/DEZ encerra com o concerto de Cristina Branco (16 de dezembro), que apresenta em Viseu o seu mais recente trabalho. Em Menina, a cantora rodeou-se de novos autores e compositores com diferentes sonoridades da música portuguesa.

Viseu volta a ser o palco da dança contemporânea. Durante uma semana, várias gerações de coreógrafos nacionais coabitam o mesmo espaço, partilhando paisagens artísticas, intelectuais, intensões e motivações. De 17 a 26 de novembro, a NANT (New Age, New Time – Mostra de Dança Contemporânea) conta com a estreia de Walking with Kylián. Never stop searching (17 e 18 de novembro), de Paulo Ribeiro, O que fica do que passa (20 de novembro), de Teresa Silva e Filipe Pereira, Segunda-feira: Atenção à Direita (22 de novembro), de Cláudia Dias, L’Après-Midi D’un Sportif (23 de novembro), de Ricardo Machado, MUTE (23 de novembro), de Marta Cerqueira, Um solo para a sociedade (24 de novembro), de António Cabrita e São Castro, e Vespa (26 de novembro), de Rui Horta. Destaque ainda para o workshop com Phill Hulford (25 e 26 de novembro), para a exposição Para uma timeline a haver (17 a 22 de dezembro), de Ana Bigotte Vieira e João dos Santos Martins e para a instalação BOX (17 a 26 de novembro), de António Cabrita e São Castro.

 

Para os adolescentes, o Teatro Viriato abre inscrições para dois projetos especiais: o K Cena, na área do teatro, e o novo projeto PEDRA, na área da dança. O K Cena, que une Brasil, Cabo Verde e Portugal, procura através do teatro e da lusofonia fomentar a interação de jovens de diferentes nacionalidades, realidades culturais e contextos diversos. Esta edição conta com a parceria do Teatro Nacional São João e do Teatro Nacional Dona Maria II. O projeto PEDRA, que surge pela primeira vez, é um projeto de dança contemporânea para jovens coproduzido pela Culturgest, Teatro Municipal do Porto e Teatro Viriato. Destina-se a jovens entre os 15 e os 18 anos e conta com a participação de Clara Andermatt enquanto coreógrafa convidada. Os jovens terão a oportunidade de conhecer o seu vasto reportório, de o apropriarem e explorarem de modo a criar uma apresentação final. As inscrições para estes projetos podem ser efetuadas na bilheteira física ou no site do Teatro Viriato.

De 14 de setembro a 22 de dezembro, o foyer acolhe a exposição Menos 21. Da autoria do fotógrafo Carlos Fernandes, as imagens eternizam o raro encontro entre Paulo Ribeiro, Clara Andermatt, João Fiadeiro e Vera Mantero, que aconteceu em Viseu em abril de 2016. Menos 21 imortaliza na história da dança contemporânea o movimento encontrado entre quatro dos mais representativos coreógrafos da Nova Dança Portuguesa.

Durante a nova temporada, terá início também o núcleo do Dançando com a Diferença em Viseu. Este polo surge com a necessidade de dar continuidade ao projeto Por Delicadeza em resposta a uma lacuna artística e social ainda presente no distrito de Viseu. Pretende-se continuar a reunir, nesta iniciativa, utentes de sete instituições diferentes de Viseu e, se possível, ampliar o número de entidades envolvidas. Com a implementação do Dançando Com a Diferença – Viseu, assim como nas experiências anteriores, propõe-se um trabalho que visa reunir e criar um grupo de pessoas com deficiência, institucionalizadas ou não para o desenvolvimento de ações no domínio da Dança Inclusiva, usufruindo da experiência e direção artística de Henrique Amoedo, criador do conceito e metodologia da Dança Inclusiva além de todo o know-how do grupo Dançando com a Diferença, com sede no Funchal.

O Teatro Viriato reformulou o Espaço Criança que passa agora a ser o Espaço da Palavra, uma atividade que é disponibilizada durante o tempo de permanência em alguns espetáculos noturnos. Partindo do tema central dos espetáculos em cena, o Espaço da Palavra proporciona aos participantes sessões de conto, exploração de livros e jogos dramáticos. Esta atividade será da responsabilidade da narradora Cláudia Sousa e terá como público-alvo crianças entre os 3 e os 6 anos.

 

 

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub