Mangualde, o nosso património – FONTE DE RICARDINA

por Rua Direita | 2017.04.03 - 12:16

 

De forma a dar a conhecer o que belo existe no concelho, e aproximar a população do património mangualdense, a Câmara Municipal de Mangualde promove mensalmente a campanha «Mangualde, o nosso património!». No mês de abril o destaque vai para a Fonte de Ricardina.

 

Fonte de Ricardina

Camilo Castelo Branco eternizou a velha e esquecida fonte das imediações da Igreja de São Pedro, na Abadia de Espinho. Adquiriu, inclusive, denominação própria: Fonte de Ricardina. De acordo com a novela, aquela fonte foi cenário de fundo dos amores infelizes de Ricardina Pimentel e de Bernardo Moniz. A feroz oposição do orgulhoso abade de Espinho, Leonardo Botelho de Queiroz, miguelista ferrenho e homem vingativo, pai de Ricardina, contrariou a paixão de sua filha e de Bernardo, o jovem estudante de leis, liberal convicto e filho do humilde Silvestre da Fonte, residente da povoação vizinha de Espinho.

A existência ficcional dos personagens e da narrativa ganha vida na presença dos sítios referidos e descritos na novela: a casa de Silvestre da Fonte, de aparelho granítico seco e de janelas manuelinas, a Igreja da Abadia de São Pedro, a Residência Paroquial, e a fonte, escondida no passal. Junto à estrada para o Outeiro observamos ainda uma outra fonte, de traça joanina e que, erroneamente, muitos supõem ser a de Ricardina. Também, naquela época, era abade de Espinho Caetano de Brito e Faro, de Lobelhe.

 

António Tavares

Gestão e Programação do Património Cultural da Câmara Municipal de Mangualde

 

Com esta campanha todos ficam mais próximos do vasto esplendor patrimonial do nosso concelho. Nesse sentido, continua a ser colocada, em vários pontos de encontro do concelho, informação sobre o monumento/património apresentado. O património material e imaterial vai sendo apresentado consoante a categoria com a qual foi classificado: arqueologia, pelourinhos, fontes, palacetes e religiosos, bem como outros bens patrimoniais. Cada categoria será representada por uma cor que a distingue das restantes.

Foram já vários os bens patrimoniais destacados por esta campanha nos últimos três anos. Deixamos de seguida apenas alguns exemplos. Em maio último destacamos a Igreja de São Silvestre de Pinheiro de Baixo e de Cima e Picota: tecnologia antiga, no mês de junho, os Vestígios de Outrora: Vila Nova de Espinho, em agosto Paredes que falam da História, em setembro o Santo António dos Cabaços. As últimas campanhas contemplaram a Arquitetura modernista em Mangualde, Tribunal de Mangualde e Português Suave. Ao arrancar 2017 o destaque foi para os Refrigerantes Condestável… de Abrunhosa do Mato no mês de janeiro e para os Bordados de Tibaldinho… património das culturas populares, no mês de fevereiro. No mês de março o destaque foi para a Casa dos Condes de Mangualde.

 

 

 

 

Sofia Monteiro

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub