A Rua Esquecida percorre Viseu

por Rua Direita | 2018.08.07 - 09:33

 

Após a estreia no Fundão, a primeira apresentação em itinerância da criação da Astro Fingido para a Rede Artéria é em Viseu. 

Rede ARTÉRIA em VISEU

 

O artista convidado pela Rede ARTÉRIA para criar um espetáculo, com estreia em 2019, em Viseu é Gonçalo Amorim. Como acontece com todas as criações ARTÉRIA, esse espetáculo será depois apresentado em itinerância em três localidades: Tábua, Coimbra e Figueira da Foz.

Até lá, também Viseu vai receber as criações de outras cidades:

A Rua Esquecida, de Fernando Moreira, 
Largo da Sé de Viseu, 10 de agosto, sexta-feira, 18h

Labirinto, de Graeme Pulleyn, 
Praça Dom Duarte, 22 de setembro, sábado, 18h.  

Vagar, de Marina Nabais,
Cava de Viriato, a 6 de outubro, 21h30.

 

A apresentação do primeiro espetáculo da Rede ARTÉRIA em Viseu acontece no próximo dia 10 de agosto, sexta-feira, às 18h. A Rua Esquecida é uma criação da Astro Fingida, apresentada num percurso com início no Largo da Sé. A entrada é livre.

A Rua Esquecida é o espetáculo que resultou do desafio lançado a Fernando Moreira e à ASTRO FINGIDO, a associação que dirige artisticamente com Ângela Marques, para a criação de um projeto no Fundão. Do mapeamento e dos encontros efetuados previamente com o município e vários agentes locais, a área de intervenção escolhida foi a Rua da Cale, uma das ruas mais antigas do Fundão, que perdeu valor nos serviços e no comércio com a expansão e a nova centralidade da cidade. Desde um trabalho de imersão no local, que passou nomeadamente por entrevistar pessoas que ali vivem ou viveram, obtiveram-se as histórias que são a matéria-prima de um espetáculo que desde essas memórias e da ideia de esquecimento privilegia uma linha trágica-cómica.

Para lá do elenco profissional, há elementos que integram o espetáculo em cada um dos locais onde será apresentado depois de participarem num workshop de Teatro Físico, com Andrea Gabilondo, especialmente desenhado para esse fim.

A Rede ARTÉRIA é um projeto de intervenção sócio-cultural, com coordenação artística do Teatrão e académica do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, que articula uma componente de programação cultural, criação, artística, acompanhamento científico e participação comunitária.

Durante dois anos, o Artéria, cofinanciado pelo Centro 2020 – Programa Operacional Regional do Centro, vai criar e fazer circular espetáculos em oito concelhos da Região Centro – Belmonte, Coimbra, Figueira da Foz, Fundão, Guarda, Ourém, Tábua e Viseu. A Rede junta artistas convidados a trabalhar nos contextos de cada um desses locais com os municípios, instituições académicas, agentes e estruturas sociais / culturais.

 

«Uma das ruas mais antigas da cidade do Fundão foi o mote para a criação de um objeto teatral com contributos da música e da performance. A partir da Rua da Cale, o espetáculo procura refletir sobre todas as ruas ‘esquecidas’ que perderam, por razões diversas, a relevância de outrora. São encontros e desencontros que nos levam à geografia do centro histórico e à sua cenográfica arquitetura. E, apurando ainda mais olhos e ouvidos, são encontros e desencontros que nos levam às pessoas que ali viveram ou vivem, e que foram as pessoas que “fizeram a rua”. Memória e esquecimento são a matéria-prima do espetáculo. Aparentemente a ideia do esquecimento remete para uma ideia de declínio, mas a dramaturgia do espetáculo privilegiará a linha trágico-cómica, porque, tal como acontece na vida, há dias bons e outros menos bons e as ruas, como as pessoas, não fogem a esta regra. E como o que foi não volta a ser, que a memória seja semente de renascimentos.»

Direção artística
ÂNGELA MARQUES e FERNANDO MOREIRA

Texto e Encenação
FERNANDO MOREIRA

Direcção de Movimento
ANDREA GABILONDO

Música original
CARLOS ADOLFO (excepto “Marcianita” de Daniel Bacelar)

Letras
FILOMENA GIGANTE

Interpretação
EMÍLIO GOMES, FILOMENA GIGANTE, PATRÍCIA QUEIRÓS
Com a participação especial de ANDREA GABILONDO

Músicos
MOUSTACHE Brass Band
ADJUNTO, BENTO, CZARDAS, EL RAIANO, LEITÃO 1 e LEITÃO 2
(Alunos da Academia de Música e Dança do Fundão)

Produção
ÂNGELA MARQUES

próximas apresentações
18 AGOSTO
sexta-feira, 19h00
GUARDA Largo da Sé

26 AGOSTO
domingo,18h00
BELMONTE Largo do Castelo/Igreja de Santiago

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub