16 autarcas do distrito de Viseu nos Orgãos Sociais da ANMP

por Rua Direita | 2017.12.18 - 15:33

 

Decorreu no passado dia 9 de Dezembro, em Portimão, o XXIII Congresso da ANMP.

Foram eleitos para os seus Orgãos Sociais os seguintes 16 autarcas do distrito de Viseu:

Pelos sociais democratas:

Valdemar Pereira, Tarouca, Mesa do Congresso;

Almeida Henriques, Viseu, Conselho Directivo;

Conselho Geral os presidentes das câmaras municipais de Tondela, José António Jesus; Tabuaço, Carlos Carvalho; Armamar, João Paulo Fonseca; Vouzela, Rui Ladeira e Penedono, Carlos Esteves.

Por seu turno, os autarcas socialistas têm os seguintes representantes:

José Eduardo Ferreira, Moimenta da Beira, Conselho Directivo;

José Borges da Silva, Nelas, Conselho Fiscal;

Conselho Geral os presidentes das câmaras municipais de Lamego, Ângelo Moura; Armando Mourisco, de Cinfães; Vítor Figueiredo, de S. Pedro do Sul; Leonel Gouveia de S. Comba Dão; Manuel Garcez Trindade, de Resende, e Francisco Carvalho, de Penalva do Castelo.

Paulo Almeida, de Castro Daire, PSD/CDS-PP, ficou no Conselho Geral.

O ponto mais importante da OT foi a Descentralização Administrativa e a Transferência de Competências para as Autarquias Locais e Entidades Intermunicipais, além das votações para eleição dos titulares dos órgãos da ANMP (Mesa do Congresso, Conselho Geral, Conselho Diretivo e Conselho Fiscal); Ratificação do regulamento do XXIII Congresso da ANMP; Apresentação e discussão do Relatório de Atividades da ANMP e Quadro Comunitário Portugal PORTUGAL. Próximo Período de Programação – Pós 2020.

O autarca do distrito que deu um contributo ao Congresso, pela crítica alocução proferida, foi Carlos Silva, presidente da Câmara de Sernancelhe e da CIM Douro.

 

De acordo com o site da ANMP, ficámos ainda a saber:

A Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) é uma entidade de direito privado, fundada em maio de 1984.

São membros da ANMP todos os Municípios Portugueses e Associações de Municípios que declarem aderir à Associação mediante deliberação do órgão executivo (Conselho Diretivo) e aprovação pelo órgão deliberativo (Conselho Geral).

A ANMP tem como fim geral a promoção, defesa, dignificação e representação do Poder Local e, em especial:

A representação e defesa dos Municípios e das Freguesias perante os órgãos de soberania;
A realização de estudos e projectos sobre assuntos relevantes do Poder Local;
A criação e manutenção de serviços de consultadoria e assessoria técnico-jurídica destinada aos seus membros;
O desenvolvimento de acções de informação dos Eleitos Locais e de formação e aperfeiçoamento profissional do pessoal da administração local;
A troca de experiências e informações de natureza técnico-administrativa entre os seus membros;
A representação dos seus membros perante as organizações nacionais ou internacionais.
Órgãos da ANMP

Os órgãos da Associação Nacional de Municípios Portugueses são:

Congresso Nacional, órgão máximo de representação da ANMP;
Conselho Geral, órgão máximo entre Congressos;
Conselho Directivo, órgão executivo;
Conselho Fiscal, órgão de controlo e fiscalização no domínio financeiro e patrimonial;
Conselho Consultivo, órgão de consulta sobre assuntos de interesse para o Poder Local.
 A duração do mandato dos órgãos da ANMP eleitos em Congresso é a mesma da dos órgãos autárquicos.

 

(Foto DR)

Projecto na área da comunicação social digital, 24 horas por dia e 7 dias por semana dedicado ao distrito de Viseu

Pub