O “nosso” Almeida… “Não sou o único a olhar o céu”

por Paulo Neto | 2018.02.24 - 14:23

 

 

Pensas que eu sou um caso isolado
Não sou o único a olhar o céu
A ver os sonhos partirem
À espera que algo aconteça

A despejar a minha raiva
A viver as emoções
A desejar o que não tive
Agarrado às tentações

E quando as nuvens partirem
O céu azul ficará
E quando trevas se abrirem
Vais ver o sol brilhará
vais ver o sol brilhará

Não, não sou o único
Eu não sou o único
Não sou o único a olhar o céu

Pensas que eu sou um caso isolado
Não sou o único a olhar o céu
a ouvir os conselhos dos outros
E sempre a cair nos buracos
A desejar o que não tive
Agarrado ao que não tenho

 

Como o compreendemos e como entendemos que possa ter vindo, ufano e gaio, peito inchado das nuvens no céu olhadas, afirmar num periódico local, na correria desenfreada pelo holofote mágico, este belo rasgo de um caso isolado, que, e mesmo se sempre a cair nos buracos, a desejar o que não teve e agarrado ao que não tem… vem, agarrado às tentações, solidário com todos os seus “companheiros” laranja do distrito de Viseu, angélico e cândido de moca na mão:

“Sou o único do distrito de Viseu nos órgãos nacionais do PSD”

E com que orgulho o negociado pelo PSL nos esconsos semideiros da política, para um lugar da “treta” o afirma, na reverência subserviente ao novo líder, que ele andou a combater pelo país inteiro, como mandatário do derrotado…

Se já se começa a perceber que Rui Rio anda de chancas a pontapear os seus apoiantes, na certeza de que esses estão seguros, e a dar a mão aos náufragos, para os puxar para a traineira, percebe-se cada vez melhor a massa da qual este “tipo” é feito.

Os seus “companheiros” que ainda dúvidas tivessem, devem, de vez ficar esclarecidos… Com este podem contar!