Almeida Henriques e “as 20 mil léguas submarinas”

por Paulo Neto | 2019.10.20 - 12:39

O presidente da autarquia viseense parece sonhá-las de noite para as proferir de dia, provavelmente andará a ler a boa ficção de Júlio Verne…

E não há melhor do que acordar num domingo soalheiro com o pensamento infra citado, logo na rede social partilhado, o qual, no nosso humilde entendimento, não é senão mais um naco saboroso de feérico movimento urbano na cabeça do pensador:

A mobilidade suave, peça importante do MUV – Mobilidade Urbana de Viseu, começa a dar passos em Viseu, com a adjudicação da primeira fase de execução da ciclovia da cidade, por um valor aproximado de 580 mil euros.
Com um prazo de execução de 210 dias, esta empreitada visa a construção de um troço com uma extensão de 5,7 km, estruturando eixos preferenciais de mobilidade e definindo pontos de intermodalidade com outros transportes públicos e de acessibilidade aos principais equipamentos e infraestruturas da nossa cidade.

A mobilidade suave (?); a mobilidade urbana; os eixos preferenciais de mobilidade (?); os pontos de intermobilidade (?)… para a acessibilidade aos principais equipamentos (?) e infraestruturas da nossa cidade (?) …

Este linguarejar “pós-poético”, como todos aqueles a quantos nos habituou, centrado no rumor da palavra, mas vazio de conceito, é recorrentemente projectado num provir optimista – pois estamos perante um autarca futurista, a tentar apagar com retórica “ilusionada” o fracasso dos seis anos passados e o presente do seu mandato – naquele “mixt  de dialecto tecno-politiquês” que, amputado de muletas semânticas, é somente o discurso do redondo e do oco.

Este edil abre a boca e ligeiras saem esbaforidas umas centenas de milhares de euros. Aqui e no concreto afirmado, 580 mil – um pouco mais de meio milhão – para 5,7 quilómetros de um troço de ciclovia. Ou seja, mais de 100 mil cada quilómetro.

E anda comedido, pois nos seus tempos de secretário de Estado de já não nos lembramos do quê, cada vez que falava, projectava no infinito imaginário centenas de milhões…

O projecto “Começa a dar passos”, escreve ele… provavelmente em marcha atrás, pensamos nós.

Paulo Neto