Agrupamento de Escolas de Mangualde – Ana Teresa Beja vai ocupar o lugar deixado vago por seu marido, Rui Costa

por Paulo Neto | 2018.07.11 - 09:25

 

À frente do Agrupamento de Escolas de Mangualde pontifica há muitos anos Agnelo Esteves de Figueiredo. Recordo ser um bom profissional, lembro-me de fazermos o estágio juntos na Emídio Navarro e de trabalhar com ele na Secundária Felismina Alcântara.

No entreacto mergulhado na política activa, exerceu o lugar de vereador da Câmara Municipal de Mangualde, pelo PSD, sob a presidência de António Soares Marques. Com novos rostos autárquicos surgidos, regressou ao seu lugar de origem, à cabeça do citado Agrupamento.

Como o município tem voto na matéria eleitoral para a direcção do Agrupamento de Escolas, “alguém” da autarquia local,  poderá ter ajudado a “negociar” à época a “colocação” nesse orgão de Rui Costa, (hipótese na qual não acreditamos), ao mesmo tempo que se iniciava como presidente da direcção da Cooperativa Agrícola – COAPE. Refira-se que Rui Costa era professor do QZP de Coimbra, em 2015, onde provavelmente ainda pertencerá.

Neste momento, a Agnelo Esteves Figueiredo faltam 3 anos para a aposentação. Havendo eleições em 2019, eventualmente não lhe serão totalmente despiciendos os 3 votos camarários para a reeleição, quando no horizonte já se adivinham outros legítimos candidatos para o cargo.

Entretanto, Rui Costa saiu da direcção do Agrupamento em Outubro de 2017 para ocupar o lugar de vereador camarário a tempo inteiro, a convite de João Azevedo, com os pelouros das florestas, cinegética, agricultura, educação, desporto, juventude e tempos livres. A vacatura por ele deixada no Agrupamento, estranhamente, manteve-se até ao presente, pois só agora, por despacho-interno, Agnelo Figueiredo informou da intenção de nomear para substituir Rui Costa, a mulher deste, Ana Teresa Beja Correia, docente destacada nas Necessidades Educativas Especiais, pertencente ao grupo 110 no QZP, com especialização em Educação Especial, tendo usufruído de mobilidade estatutária em 2017 e 2018.

Naturalmente que Agnelo Figueiredo só o fez por inequívoca competência da nomeada, sem sequer pensar no putativo apoio da edilidade para as eleições de 2019, pois a colocação nestes lugares não decorre, em caso algum, em Mangualde ou em qualquer outro concelho do país, por sucessão dinástica e/ou parental.

Entretanto, Rui Costa, “delfim” de João Azevedo desde os tempos em que foi vice da DREC, actual presidente da concelhia do PS local, presidente da direcção da Cooperativa Agrícola COAPE e vereador da Agricultura, vai contribuindo com o seu “savoir faire” para a prosperidade agro-pecuária concelhia, na fileira dos mirtilos apoiada por verbas comunitárias, e dos produtos lácteos, aqui em estreita parceria com uma queijaria local, à qual garante o fornecimento total ou parcial de leite de ovelha bordaleira, para os produtos aí produzidos.

Ou seja, uma história com um bonito happy-end, quando João Azevedo, no seu último mandato autárquico, promoverá para a futura sucessão o citado Rui Costa, também empresário em Moçambique na área do ensino/formação, com a MK – Consultoria & Investimentos, Limitada e o discreto jovem promissor Filipe Pais, ex-funcionário do BES, ex-chefe de gabinete de João Azevedo e actual chefe de gabinete do  secretário de Estado da Juventude e Desporto, João Paulo Rebelo, que foi ou é um jovem empresário de sucesso, na área do mirtilo, na COAPE.